quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Imagem peregrina de Nossa Senhora visita a sede da Prefeitura de Campos


Os bispos Dom Roberto Ferrería Paz e Dom Fernando Rifan foram recebidos pelo prefeito, vice-prefeita e servidores









O prefeito Rafael Diniz, a vice-prefeita Conceição SantAnna, secretários, superintendentes e servidores receberam na tarde desta terça-feira (14), na sede da Prefeitura de Campos, a imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida. A visita faz parte do projeto realizado pela Pastoral da Comunicação, que será realizado, no próximo ano, nas prefeituras, câmaras municipais e associações culturais situadas nos municípios da área de abrangência da Diocese de Campos e em comemoração aos 300 anos da aparição da imagem, nas águas do Rio Paraíba do Sul. A cerimônia foi conduzida pelos bispos Dom Roberto Ferrería Paz e Dom Fernando Rifan.  

A imagem e a bandeira do Brasil foram conduzidas pela Guarda de Honra e agentes do Grupo de Ações Especiais (GAE) da Guarda Civil Municipal. A coroação de Nossa Senhora foi feita pelo prefeito e pelo superintendente de Comunicação, Thiago Bellotti, enquanto o superintendente adjunto de Comunicação, Paulo Roberto Rangel, fez a oração do Comunicador. Na superintendência de Comunicação, Dom Roberto fez a aspersão com água benta. 

O prefeito Rafael Diniz ressaltou o momento e fez uma analogia da situação há 300 anos dos pescadores, com o atual momento do município de Campos. 

— Pela manhã, fizemos uma breve reflexão. Quando há 300 anos os pescadores tentavam pescar e o peixe não vinha é porque na verdade algo muito maior viria depois. É o que tem acontecido na nossa cidade hoje. Se por um lado temos enfrentado dificuldades, por outro tenho a certeza de que a transformação da nossa cidade já está sendo feita e algo cada vez melhor nos espera. Somos instrumentos de transformação da nossa cidade. A bênção que pedimos, hoje, é para nossa cidade, para as pessoas que mais precisam e para que tenhamos equilíbrio e direcionamento para escolher o melhor caminho para todos — disse Rafael Diniz. 

O bispo Dom Roberto contou a história da imagem de Nossa Senhora Aparecida, genuinamente brasileira, e que retrata a população e se identifica com todos, como Maria. “Seu achado há 300 anos representou um milagre. Nossa Senhora Aparecida representa a unidade, da cabeça e do corpo, da nação brasileira, de todas as raças. Campos precisa de unidade, Campos precisa de diálogo, Campos precisa de consciência”, frisou Dom Roberto que avisou que no próximo dia 19, o Papa Francisco celebrará, pela primeira vez, o Dia Mundial dos Pobres. 

Para Dom Rifan, Nossa Senhora é um ícone que representa a mãe de Deus que está no céu. “Nossa Senhora é serva do Senhor, os senhores são servidores e devem se sentir honrados com este nome. Como o prefeito é servidor do povo, como todos somos servos um dos outros. Essa vinda da imagem Nossa Senhora aqui hoje é preceder uma grande pescaria, de grandes bênçãos para Campos, grande prosperidade. Sair dessa crise, assim como os pescadores lá atrás saíram da escassez de peixes e depois conseguiram uma grande pescaria. Que Nossa Senhora seja predecessora dessa grande pescaria que esperamos, que é o progresso da nossa cidade”.

Por: Anna Luiza Paixão - Foto: Rogério Azevedo 

sábado, 28 de outubro de 2017

Cinema na praça em Italva



Cine pipoca de graça atrai um publico de todas as idades para sessões de cinema nas praças de Italva.
A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas, pessoas em pé e atividades ao ar livre

O Projeto Cinema na Praça movimentou o público de todas as idades em Italva. A exibição do filme O Pequeno Chefinho atraiu desde as crianças, adultos e a melhor idade. A proposta da Secretaria de Cultura é de levar atividades culturais as praças da cidade e resgatar a tradição dos espaços para convivência familiar.
A artesã Fabiana Oliver aproveitou para levar os dois filhos Davi de Souza Oliveira, 7 anos e  Gabriel de Souza Oliveira, 9 anos para assistir a sessão que teve direito a pipoca e refrigerante e muita animação. Para Fabiana que gosta de acompanhar os lançamentos no cinema, se desloca a Campos e aproveita para dar oportunidade aos filhos de assistirem um filme numa tela maior. Ao final os meninos gostaram da experiência. Foi uma festa e para muitos o momento de assistirem  o filme dedicado ao público infantil. Uma experiência bem sucedida com um grande público. A exibição do filme aconteceu em todas as praças desde o inicio da semana passada.
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e close-up
O projeto vai ser ampliado e vai ganhar ser levado a todos os bairros é o que promete o Secretário de Cultura Erivelton Mendes, que promete ainda este ano realizar esta etapa em cinco locais e ampliar no ano é levar o programa a todos os distritos.
- Queremos que a cultura chegue até as pessoas. Não pretendemos ficar focados no centro da cidade e obrigar a população se deslocar sempre que tiver algo. Precisamos reacender nos bairros e localidades o encontro entre moradores. – informa Erivelton.
A iniciativa tem o objetivo de levar arte e cultura cinematográfica para a população de Italva que não possui um cinema. Pretende também dar oportunidade aos menos favorecidos a possibilidade de assistir algo em uma tela grande. O projeto visa também oferecer lazer nas praças, seguindo o intuito de resgatar o convívio social entre as pessoas além do mundo virtual da internet.
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas, criança e área interna
Do sonho a realidade. Apaixonado por cinema, Erivelton Mendes foi proprietário de uma locadora de filmes e recorda que em sua adolescência gostava de freqüentar as salas de projeção no Rio de Janeiro. De volta a Italva percebeu a necessidade de criar o projeto. A idéia surgiu com o incentivo de revitalizar as praças. Primeiro veio às apresentações musicais e culturais. Logo em seguida a instalação de acesso gratuito a internet na Praça da Matriz.
- Na minha juventude a praça era ponto de encontro obrigatório. Ali surgiam idéias, novas amizades, lideranças e até romances sadios e que duram até hoje. Sei que esse resgate é difícil, mas temos que tentar algo. – destaca Erivelton.
Resgatar o encontro entre as pessoas na principal praça da cidade, que até pouco tempo era diariamente freqüentada por jovens e adultos que se socializava mesmo sem a promoção de eventos. A colocação da internet livre foi mais uma forma de atrair em especial os jovens que hoje não conseguem ficar desconectados e com isso movimentar o ambiente.  São muitas as recordações. Hoje a radialista Fabiana Porto recorda que foi na praça que conheceu o atual marido.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Aprovado texto de orientações pastorais para as mídias católicas do Brasil


Aprovado texto de orientações pastorais para as mídias católicas do Brasil
O Conselho Permanente da CNBB, reunido entre 24 e 26 de outubro, em Brasília aprovou com emendas e correções um texto contendo orientações pastorais dirigidas aos operadores de todas as mídias que no Brasil se apresentam como católicas. O documento foi preparado com a participação de todas as comissões pastorais da Conferência e traz considerações importantes a serem observadas na TV, no Rádio, nos impressos e nas chamadas mídias sociais da Igreja.
Dom Darci José Nicioli, presidente da Comissão Episcopal para a Comunicação, coordenou todo o processo de composição do documento e foi encarregado pelo Conselho a dar continuidade ao processo que inclui a revisão, publicação, divulgação do documento por meio de ano de estudos e debates com os operadores das mídias.
Ele falou à Assessoria de Imprensa. Confira a entrevista.
Este novo documento da CNBB com orientações para a mídia católica tem que tipo de origem? Por que foi necessário fazer esse texto?
Todos os documentos que emanam da nossa Conferência Episcopal nascem da solicitude dos nós bispos em vista da animação da ação evangelizadora no Brasil. Nenhum desses textos é produzido sem essa mística. Em colegialidade fraterna, procuramos nos debruçar, na medida do possível, sobre todas as realidades que compõem a nossa ação pastoral. O campo da comunicação é importantíssimo! Lançamos o nosso Diretório Nacional para a Comunicação em 2014 e, desde aquele período, temos pensado em traduzi-lo em orientações explicitamente pastorais para ajudar os operadores da mídia católica e de todos os que atuam na mídia e assumem sua catolicidade.
“vivendo em tempos de grandes transformações e expansão midiática, esse ambiente da vida eclesial e social pediu dos nossos bispos uma reflexão mais específica”
Dom Darci José Nicioli

A necessidade de orientação para campos específicos do apostolado é comum à nossa ação evangelizadora. E vivendo em tempos de grandes transformações e expansão midiática, esse ambiente da vida eclesial e social pediu dos nossos bispos uma reflexão mais específica. Foi por isso que, por longos meses, estamos trabalhando nesse texto que foi aprovado pelo Conselho Permanente da CNBB e que, logo, estará nas mãos de todos os irmãos e irmãs que atuam em todas as mídias. Não é um texto pronto e acabado, mas um instrumento de estudo que poderá receber a influência de todos os que, efetivamente, atuam em mídias em nome da Igreja.
Quem são, então, os destinatários desse documento? A CNBB apresenta essas orientações aos diretores, responsáveis ou a todos os comunicadores católicos?
Os bispos decidiram falar aos operadores de todas as mídias que se apresentam como católicos diante da sociedade, tanto os que atuam em veículos da Igreja como aqueles que ocupam espaços próprios ou de terceiros e querem se comunicar a partir da experiência de fé vivida na Igreja Católica. Isso significa que o documento é dirigido a proprietários, diretores, redatores, editores, apresentadores, artistas, repórteres, produtores de conteúdo e qualquer outra pessoa – profissional ou não – que esteja na árdua tarefa de comunicar o evangelho de Cristo em todas as mídias.
“queremos chegar não apenas aos olhos e ouvidos, mas aos corações de todos aqueles que trabalham nas emissoras de TV e Rádio, ligadas à Igreja de algum modo e também aqueles que participam dos meios laicos e se apresentam neles como católicos”
Dom Darci José Nicioli
Adotamos o termo mídias para respeitar a diversidade dos espaços físicos e digitais que são hoje ocupados pela comunicação. Com isso queremos chegar não apenas aos olhos e ouvidos, mas aos corações de todos aqueles que trabalham nas emissoras de TV e Rádio, ligadas à Igreja de algum modo e também aqueles que participam dos meios laicos e se apresentam neles como católicos. Um dos destinatários pensados pelos bispos – enquanto preparávamos este documento que contou com a colaboração de vários comunicadores e de todas as comissões pastorais da CNBB – é o produtor de conteúdo na internet. Queremos também dialogar com as pessoas que assumem esse novo ambiente em sites, blogs ou redes sociais.
Quais são os principais temas abordados neste documento?
O texto é bem abrangente. Destaco alguns temas importantes: é fundamental o trabalho de todos, especialmente das mídias, em prol da unidade da Igreja; é fundamental que cada mídia consiga expressar a catolicidade; as mídias têm responsabilidades na formação da cidadania, conforme orientação da doutrina social da Igreja; as mídias também são importantes para a catequese litúrgica, uma vez que “fazem escola” nas comunidades locais; a ética dos agentes que interagem nas mídias, particularmente na questão comercial de produtos ligados ou não à religião; cumplicidade na missionariedade da Igreja; compromisso com a Palavra, a Tradição e o Magistério, pois é isso que define a catolicidade de uma Midia que se diz a serviço da Igreja.
Conforme o senhor disse, o texto ainda deve fazer um percurso antes de chegar à sua redação final. Por que desse método e como ele será aplicado?
A CNBB sempre agiu desse modo com todos os seus documentos oficiais. Há sempre um período para que as comunidades, os pastores, os padres, os religiosos, os leigos possam colaborar na formulação de caminhos para uma pastoral orgânica, uma ação evangelizadora participativa e que seja eficaz no anúncio do Evangelho de Cristo. Com esse documento não é diferente. O Conselho Permanente aprovou um texto que será publicado na série verde dos “Estudos CNBB” e este trabalho, em seguida, fará ainda um trajeto peregrinando entre os comunicadores da Igreja do Brasil, suscitando reflexão e engajamento.
“É desejável que na Assembleia Geral de 2019, depois do amplo trabalho de debates, correções, emendas e sugestões, apresentemos a proposta de um texto final, para a aprovação dos bispos”
Dom Darci José Nicioli
O Conselho Permanente encarregou a Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação de animar esse processo. Logo que o texto estiver finalizado – com as últimas correções pedidas – e publicado pela CNBB, apresentaremos aos comunicadores de todas as mídias um cronograma de trabalho. É desejável que na Assembleia Geral de 2019, depois do amplo trabalho de debates, correções, emendas e sugestões, apresentemos a proposta de um texto final, para a aprovação dos bispos.
Nesse tempo de estudos, quais serão as prioridades da Comissão para a Comunicação da CNBB?
A primeira providência será de criar condições para que todos os comunicadores que atuam nas mídias no Brasil tenham acesso e possam conhecer a integralidade das orientações pastorais propostas pela CNBB. Acreditamos que isso não pode ser apenas confiado à adesão espontânea que, apesar de necessária, pode durar muito tempo. Vamos propor datas e encontros para a leitura desse texto, considerando a especificidade das mídias.
Uma segunda prioridade será aquela de fazer que essas orientações não sejam apenas conhecidas, mas experimentadas na prática de cada uma das mídias. Precisamos evitar promover debates da letra pela letra e trazer o elemento da prática para aprofundar o que o texto propõe. Nesse sentido, precisamos levar as orientações para as redações das TVs, dos Jornais, das revistas, dos produtores de conteúdo na internet, etc.
“Precisamos evitar promover debates da letra pela letra e trazer o elemento da prática para aprofundar o que o texto propõe”
Dom Darci José Nicioli
Ainda uma ação importante, entre outras que poderemos realizar no decorrer do processo, é estabelecer um cronograma para receber contribuições – a partir do conhecimento e da prática das orientações – para que sejam inseridas no texto a ser apresentado em 2019.
O senhor não acha que muita coisa para pouco tempo?
Acho sim! Mas, comunicadores católicos são arrojados e corajosos. Ninguém brinca em serviço! São criativos e céleres! Eles têm uma capacidade de produção que a maioria de nós desconhece completamente. Quando a gente vê um programa bonito, uma reportagem bacana, uma campanha legal nas mídias, às vezes, não nos damos conta que foi um grupo enorme de pessoas que trabalhou com talento, dedicação e carinho e trouxeram aquilo para o público, a tempo e a hora. Basta um bom planejamento e a adesão dos comunicadores. Nós conseguiremos!
A Igreja no Brasil merece o nosso esforço! O compromissa da fé em Jesus Cristo, nosso Redentor, pede nossa adesão para que tenhamos todas as áreas da evangelização bem refletidas nos trabalhos que são realizados no ambiente midiático. Este documento não é da Comissão de Comunicação, é um documento da CNBB e considerou a participação de todas as grandes linhas do nosso trabalho pastoral no Brasil! Gente boa! Meu agradecimento e abraço a todos!

VISITA: Imagem de N S Aparecida visita Prefeitura de Campos

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo

Arquidiocese do Rio ganha mais um bispo auxiliar

temp_titleMons_Paulo_Celso_27102017083045


A Nunciatura Apostólica no Brasil comunicou nesta sexta-feira, 27 de outubro, a decisão do Papa Francisco em nomear o Monsenhor Paulo Celso Dias do Nascimento, bispo titular de “Agunto” e auxiliar da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, para colaborar no governo pastoral do Cardeal Orani João Tempesta. 
Monsenhor Paulo Celso nasceu em 14 de abril de 1963, na cidade de Lagarto, no Estado do Sergipe.
Nos primeiros três anos, fez o seminário menor na capital Aracajú. Em 1983, cursou filosofia e teologia no Seminário Arquidiocesano de São José, no Rio de Janeiro, concluindo seus estudos nos seminários arquidiocesanos de Maceió (AL) e Salvador (BA).
No dia 13 de maio de 1989 - memória de Nossa Senhora de Fátima -, já com 26 anos, era ordenado sacerdote na sua paróquia de origem, o Santuário Nossa Senhora da Piedade, de Lagarto, pelo então bispo diocesano de Estância (SE), Dom Hildebrando Mendes Costa. 

Em 1997, voltou ao Rio de Janeiro, cursou Direito Canônico e Psicologia. Assumiu em 4 de agosto de 2003 - Dia do Padre – a capelania do Hospital Quinta D’Or, em São Cristóvão, oficio que ocupa até a presente data. Desde 2016, é o coordenador Arquidiocesano da Pastoral da Saúde.
Sua ordenação episcopal está marcada para o dia 6 de Janeiro, as 8h30, na Catedral Metropolitana de São Sebastião, no Rio de Janeiro.

MENSAGEM DA CNBB - Vencer a intolerância e o fundamentalismo



“E Deus viu tudo quanto havia feito, e era muito bom”  (Gn 1,31)
Os bispos do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, reunidos em Brasília de 24 a 26 de outubro de 2017, dirigem esta mensagem ao povo brasileiro, diante de recentes fatos que, em nome da arte e da cultura, desrespeitaram a sexualidade humana e vilipendiaram símbolos e sinais religiosos, dentre eles o crucifixo e a Eucaristia, tão caros à fé dos católicos.
Em toda sua história, a Igreja sempre valorizou a cultura e a arte, por revelarem a grandeza da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus, fazendo emergir a beleza que conduz ao divino. “A arte é como uma porta aberta para o infinito, para uma beleza e para uma verdade que vão mais além da vida quotidiana” (Bento XVI – 2011). O mundo no qual vivemos, ensina Paulo VI, precisa de beleza para não cair no desespero (Cf. Mensagem aos Artistas – 1965).
Reconhecemos que “para transmitir a mensagem que Cristo lhe confiou, a Igreja tem necessidade da arte” (São João Paulo II – Carta aos artistas 1999). Somos, por isso, agradecidos aos artistas pela infinidade de obras que enriquecem a cultura, animam o espírito e inspiram a fé. Merecem destaque a pintura, a música, a arquitetura, a escultura e tantas outras expressões artísticas que ressaltam a beleza da criação, do ser humano, da sexualidade, e o espírito religioso do povo brasileiro. Arte e fé, portanto, devem caminhar unidas, numa harmonia que respeita os valores e a sensibilidade de cada uma e de toda pessoa humana na sua cultura e nos seus valores.
Lamentavelmente, crescem em nosso meio o desrespeito e a intolerância que destroem esta harmonia, que deve marcar a relação da arte com a fé, da cultura com as religiões. Se, por um lado, a arte deve ser livre e criativa, por outro, os artistas e responsáveis pela promoção artística não podem desconsiderar os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável. O desrespeito e a intolerância, por parte de artistas para com esses valores, fecham as portas ao diálogo, constroem muros e impedem a cultura do encontro. Preocupam, portanto, o nível e a abrangência destas intolerâncias que, demasiadamente alimentadas em redes sociais, têm levado pessoas e grupos a radicalismos que põem em risco o justo apreço pela arte, a autêntica liberdade, a sexualidade, os direitos humanos, a democracia do País.
Vivemos numa sociedade pluralista, por isto, precisamos saber conviver com os diferentes. Isso, contudo, não subtrai à Igreja o direito de anunciar o Evangelho e as verdades nele contidas, a respeito de Deus, do ser humano e da criação. Em desacordo com ideologias como a de gênero, é nosso dever ressaltar, sempre mais, a beleza do homem e da mulher, tais como Deus os criou, bem como os valores da fé, expressos também nos símbolos religiosos que, com sua arte e beleza, nos remetem a Deus. Desrespeitar estes símbolos é vilipendiar o coração de quem os considera instrumentos sagrados na sua relação com Deus, além de constituir crime previsto no Código Penal.
Animamos a sociedade brasileira a promover o diálogo e o encontro, por meio dos quais as pessoas, em suas diferenças, respeitam e exigem respeito, e permitem sentir a riqueza que cada um traz dentro de si.
Nossa Senhora Aparecida, Mãe e Padroeira dos brasileiros, nos ensine o caminho da beleza e do amor, da fraternidade e da paz.
Brasília, 26 de outubro de 2017.
Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB
Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB
Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB


quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Onde falta a esperança surge a utopia....




O tempo é um dos percalços a vida. Passa rápido, ruge como leão. E nesse ínterim a vida, muitas vezes marcada pela dor, sofrimento e pela morte. Mas não a morte física, essa ninguém pode parar e o tempo é para a eternidade. Quando a vida é ameaçada surge a esperança, com vestes de projetos primaveris... afinal nada melhor que o verde que teima em habitar a terra, devastada pelo ódio, pela violência.
Uma violência que grassa a humanidade e mata projetos, sonhos, alegrias e se reveste de ilusões, decepções. Afinal a humanidade caminha para penhascos que levam a abismos. Ai a esperança se reveste de cinza, perde o vigor do verde que ilumina que traz paz. Um verde que se junta ao céu azul da existência.
Decepções, ilusões e a esperança acaba se refugiando no escuro lado da existência humana. Um lugar onde habita o pesadelo existencial. Um lugar para onde fugimos na hora da decepção, das mazelas da humanidade que se perde a cada dia, transformando o homem em feras dominadas por um jeito bestial e tornando devorador do próprio homem.
E o que resta? Resta a utopia, lugar de refugio, e neste lugar habita a vida, a esperança... o ser-tão está ai como este lugar...mesmo diante da aridez brota um fio de vida, que regada por uma palavra simples renova tudo...Basta Cativar....e a exemplo da raposa nos sobrevém um fio de luz, vida, esperança e os sonhos voltam a povoar o ambiente árido e surgem vidas... afinal onde falta a alegria, falta a esperança brota o sonho....sonho sonhado e vivido....



Posse do presidente e entrega da medalha Poeta Aluízio Pinheiro em solenidade neste sábado.

A imagem pode conter: 3 pessoas

A Academia Aperibeense de Letras empossa neste sábado,  em solenidade as 19h na Casa de Cultura de Aperibé o novo presidente e confere a Alceu Brandão Filho a medalha Poeta Aluízio Pinheiro. Iran Lopes recebe das mãos da atual presidente, a ativista cultural e ambientalista Maria da Graça Bairral a direção da entidade cultural. 

terça-feira, 24 de outubro de 2017

CONSAGRAÇÃO: Cardoso Moreira se prepara para consagrar a N S Aparecida

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas

Documento foi entregue ao Prefeito Gilson Siqueira pelo Padre Edson na tarde desta terça feira. 

A Paróquia São José em Cardoso Moreira protocolou na tarde desta terça feira (24) com o Prefeito Gilson Siqueira projeto para a consagração da cidade a Nossa Senhora Aparecida. O documento foi assinado pelo Padre Edson Domingues e Padre David Francisquini da Administração Apostólica. A proposta é que a solenidade seja realizada no dia 30 de novembro, data que é comemorado a emancipação político- administrativa.
Com alegria protocolamos hoje junto ao Exmo. Sr. Prefeito Gilson Siqueira um pedido de nossa comunidade católica, no sentido de realizarmos de forma solene, a consagração do município; pedido este já concretizado por grande parte dos municípios brasileiros. A solicitação está assinada por mim e por Pe. David Francisquini.- destaca Padre Edson.

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Cinema na Praça em Italva

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé, planta, árvore e atividades ao ar livre


Cinema de graça nas praças de Italva com direito a pipoca. Projeto da Secretaria de Cultura.

Neste sábado a Secretaria Municipal de Cultura de Italva está promovendo uma sessão de cinema a partir das 19h na Praça da Matriz dentro do Projeto Cinema na Praça, com o objetivo de revitalizar o espaço. As exibições serão realizadas em outras praças da cidade. Uma oportunidade para atrair os jovens. A praça já oferece acesso gratuito à internet.
- Um projeto de suma importância para a nossa população que é tão carente de Cultura e Lazer e esse projeto visa isso levar mais cultura para nossa comunidade, esse é o nosso lema mais cultura na cidade. – relata o jovem Loham Amorim.
A proposta na opinião do Padre Maxiliano Barreto da Igreja de Nossa Senhora da Conceição é uma oportunidade de levar os jovens a participarem de um momento cultural, já que o cinema é um importante meio de comunicação e difusão cultural, incentivando a atividades sadias. E a praça é um lugar para o convívio social.
- Venho de uma realidade que em criança tínhamos na praça um lugar para um bom convívio social. Não existia Internet e era a praça um lugar para as nossas brincadeiras e nossas famílias se encontravam para um bate papo saudável. Hoje o que vemos é um individualismo, os jovens isolados e buscando apenas nas redes sociais e fugindo a um contato direto. E vejo essa tradição sendo resgatada aqui em Italva. – ressalta o padre.
Mas o objetivo do Secretário de Cultura é resgatar a tradição dos jovens se encontrarem nas praças. Recorda de um tempo que os jovens saiam das atividades da igreja católica e se reuniam na praça. Um local para convivência fraterna e destaca muitas famílias que começaram a sua história na praça da matriz.
- Na minha juventude a praça era ponto de encontro obrigatório. Ali surgiam idéias, novas amizades, lideranças e até romances sadios e que duram até hoje. Sei que esse resgate é difícil, mas temos que tentar algo. – informa o secretário.
A artesã Fabiana Oliver disse da importância do projeto. Em Italva não existe nenhuma sala de exibição e em praça atrai os apaixonados pelo cinema e é uma oportunidade para crianças que nunca foram a um cinema. Uma iniciativa muito interessante para a cidade ter mais um momento cultural.
- Muitos amam cinema, mas nem todo mundo tem condições de ir a cidade mais próxima para o cinema. E o ver trazendo para a nossa cidade isso é um orgulho para todos nós Eu sempre vou, mas talvez tenha crianças que nunca puderam ir E olha como será uma felicidade para esses pequenos poderem assistir em uma tela gigante pela primeira vez. – disse a artesã.

Programação
23/10 - São Pedro Paraiso
24/10 - Saldanha da Gama
25/10 - Guarnere
26/10 - Alto da  Boa Vista

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Festival do Quibe de Italva declarado Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado do Rio

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé

Em Italva a estrela das festas e das mesas nas famílias e destaque num festival que atrai turistas.

As tradições da culinária libanesa invadem Italva no Noroeste do Estado do Rio de Janeiro. Por toda a parte nos restaurantes, bares e lanchonetes o quibe é um dos salgados mais procurados. Trazido para a cidade pelos libaneses com receitas familiares, foi difundido por toda a região, mas na opinião do Padre Maxiliano Barreto em Italva o sabor é diferenciado. Em várias versões a receita ganha as mesas nas festas e é servido cru, frito ou assado. O segredo esta no tempero que é guardado a sete chaves pelos últimos libaneses e seus descendentes.
- È diferente comer um quibe em qualquer lugar, mas em Italva o quitute de origem libanesa guarda segredos trazidos pelos primeiros imigrantes e seus descendentes. A cidade é conhecida como a capital do quibe, mas a tradição agora reconhecida como patrimônio cultural e imaterial precisa ser repaginada para retomar a originalidade da festa e reunir as famílias para um momento de confraternização e de reencontro. – destaca o padre.
Mas as histórias são muitas. Recordações de um tempo que o Festival do Quibe reunia as famílias descendentes de libaneses. Quibes, esfiras e outras delícias. João Baptista Miote Filho preserva a tradição que recebeu da sogra Maria da Penha Florido José, 82 anos, que passou os segredos da culinária para a filha Maria Margarete Florido Miote. E o cantinho libanês é uma das referências na cidade. Saudosista, recorda desse tempo. Famílias que se encontravam no festival para recordar a chegada dos imigrantes que chegaram a cidade trazendo as tradições culinária.
- Recordo como foram os primeiros anos do Festival do Quibe. Uma festa familiar, e era uma grande oportunidade para rever amigos distantes, mas que sempre voltavam a Italva para este momento festivo. Aos poucos a comunidade libanesa foi diminuindo. Os mais velhos morreram e os jovens foram para outras cidades para estudar e acabaram ficando nestas cidades, mas a tradição continua. O grande segredo é manter a qualidade e resgatar esse lado familiar para voltar aos tempos que participávamos com a família reunida e era um encontro saudável... Tempos que deixaram saudades. - disse João Baptista.

Uma lei para preservar a tradição. Desde 1971, o quibe é festejado atraindo turistas de várias partes do Brasil. Alem do quibe outras iguarias da culinária libanesa podem ser degustadas no Festival do Quibe realizado no Pedra Branca Social Clube. A Diretora do Clube Verônica Madureira destaca a importância da lei para a preservação da tradição
- É uma festa maravilhosa, bem organizada, cheia de gente bonita, onde você pode se divertir em segurança. Uma equipe grande passa a madrugada na sede do clube preparando os quibes no dia anterior. O povo italvense fica feliz de a cidade seguir fiel às suas tradições e conseguir manter uma festa como essa por exatos 46 anos. - relata Verônica.

O festival acontece todos os anos no primeiro domingo de setembro. Além do quibe, no Pedra Branca Social Clube e a programação animada com muita música é um momento para a degustação do quibe nas versões frito e cru e regado a chopp servido das 11h até as 17h. E desde as primeiras edições o encontro acontece num ambiente familiar e atualmente é um dos eventos mais tradicionais da sociedade italvense, com um perfil cultural influenciado pelos libaneses que chegaram no início do século XX. Uma tradição que é mantida pelos descendentes de sírios e libaneses que resistiram em continuar morando na cidade pela tranqüilidade e convívio social agradável.
- E para garantia da manutenção dessa história, alegria e orgulho do povo italvense a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), aprovou no dia 04/10/2017, Projeto de Lei Nº. 3459/2017, de autoria do Deputado Estadual Marco Figueiredo, que torna o nosso tradicional Festival do quibe, Patrimônio Cultural Imaterial do Estado do Rio de Janeiro. – ressalta Verônica Madureira.
A imagem pode conter: 1 pessoa
O Presidente Gean Lúcio destaca a responsabilidade com a lei que reconhece o festival como patrimônio e já esta realizando reuniões com a diretoria e os 350 sócios para avaliar o evento e para preparar uma programação já pensando no ano que vem. E informou que é o festival mais antigo da região Noroeste.
O festival é atualmente a segunda festa da cidade, com uma participação bastante expressiva e chegando a superar a festa de emancipação. E com essa lei aumenta nossa responsabilidade de preparar uma festa com qualidade e ao mesmo tempo com o compromisso de preservar essa tradição da cultura libanesa. – disse Gean.

A artesã Fabiana Oliver destaca o festival como uma marca da cidade que precisa ser preservada. Uma contribuição dos libaneses que chegaram e trouxeram a sua cultura que esta sendo mantida viva pelos descendentes e pelos moradores.
- Uma contribuição para a culinária da cidade. Hoje muitos jovens descendentes das famílias libanesas foram estudar fora, mas o quibe continua sendo a marca da cultura de Italva. E agora com a lei que reconhece o festival como patrimônio cultural e imaterial a sociedade tem esse compromisso de nunca deixar acabar a tradição, mas ser uma festa para reunir as famílias para um encontro e confraternização. – disse Fabiana.


 A imagem pode conter: 1 pessoa, área interna

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

As histórias e estórias do quibe em Italva

A imagem pode conter: 1 pessoa, área interna
As histórias são muitas. Recordações de um tempo que o Festival do Quibe reunia as famílias descendentes de libaneses. Quibes, esfiras e outras delícias. João Baptista Miote Filho preserva a tradição que recebeu da sogra Maria da Penha Florido José, 82 anos, que passou os segredos da culinária para a filha Maria Margarete Florido Miote. E o cantinho libanês é uma das referências na cidade. Saudosista, recorda desse tempo. Famílias que se encontravam no festival para recordar a chegada dos imigrantes que chegaram a cidade trazendo as tradições culinária.
- Recordo como foram os primeiros anos do Festival do Quibe. Uma festa familiar, e era uma grande oportunidade para rever amigos distantes, mas que sempre voltavam a Italva para este momento festivo. Aos poucos a comunidade libanesa foi diminuindo. Os mais velhos morreram e os jovens foram para outras cidades para estudar e acabaram ficando nestas cidades, mas a tradição continua. O grande segredo é manter a qualidade e resgatar esse lado familiar para voltar aos tempos que participávamos com a família reunida e era um encontro saudável... Tempos que deixaram saudades. - disse João Baptista
 A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé



terça-feira, 17 de outubro de 2017

As experiências de uma família que convive com o câncer

A imagem pode conter: texto


A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé
Lançamento da Paulus Editora Quando mamãe adoeceu, de Belise Mofeoli é apresentada pelo olhar de um menino de nove anos. Ele, orgulhoso de sua mãe por tê-lo criado sozinha, é quem percebe que há algo diferente, unido à sua avó e tia, insistem para que a mãe faça o exame. Feito, o resultado é um tumor maligno em uma das mamas. A partir de então, a união, esperança e o amor da família se tornam o sustento para momentos tão difíceis.
Obra da voz a uma criança, que pode ser representada por tantas outras que vivenciam a doença na família. Nesta a história, o pequeno participa de todo o processo: descoberta, internação entre outras dificuldades, no entanto, sem nunca deixar suas atividades de criança como a escola, aula de música etc. O olhar ingênuo e afetuoso torna a leitura, apesar de um tema denso, leve e envolvente. “O que eu quero dizer é que o mais importante foi como nós sobrevivemos juntos a tudo. Porque é… eu não tive câncer, mas minha mãe teve. Então eu considero que nós dois, unidos, tivemos que passar pela doença”, diz o menino.
No desdobrar da narração vários alertas importantes sobre a prevenção do câncer de mama. Para explicar termos técnicos e com o intuito de facilitar a leitura, a autora espalhou algumas caixas de texto pelo livro com explicações simplificadas. As caixas estão em cor rosa para homenagear as campanhas de combate ao câncer de mama.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer – INCA, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres do Brasil e do mundo. Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos. A maioria dos casos tem bom prognóstico.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

RECONHECIMENTO: Comunidade católica de Varre Sai rende homenagens ao Padre Rogério Cabral Caetano

Trabalho tem reconhecimento da sociedade e dos bispos. Padre Rogério Cabral Caetano tem sido exemplo de sacerdote zeloso.
 A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas em pé
A cidade de Varre Sai se destaca pelo projeto realizado na Paróquia São Sebastião na administração do Padre Rogério Cabral Caetano. Dentre as realizações o sacerdote restaurou igrejas na cidade e na zona rural e este ano o Bispo de Campos Dom Roberto Francisco declarou Santa Filomena co padroeira da paróquia. Este ano a grande conquista foi à consagração a Nossa Senhora Aparecida com lei municipal aprovada pela câmara municipal e sancionada pelo prefeito,
O trabalho realizado pelo Padre Rogério Cabral Caetano na opinião dos moradores representa o resgate das tradições da igreja católica na cidade, promovendo a unidade da Diocese de Campos com a Administração Apostólica São João Maria Vianey.
- Sou padre e minha missão é preservar as tradições da minha igreja. Agradeço por todo carinho dos moradores, mas nada faço além da minha obrigação de promover a evangelização e manter o projeto de uma igreja que vai até os mais simples promovendo o diálogo com a sociedade. Quem me conhece sabe que não quero glórias, nem aparecer, mas acima de tudo a minha igreja católica que sempre amei e continuarei amando. – destaca o padre.
Desde a chegada a Varre Sai Padre Rogério Cabral Caetano revolucionou a comunidade paroquial com iniciativas ousadas. Celebração jubilar da criação da paróquia, consagração do município ao Imaculado Coração de Maria e Coração de Jesus e a reforma da igreja Santa Filomena. Um trabalho que une ação pastoral e espiritualidade. E a maior obra a conclusão das obras do Seminário de Varre Sai, um desafio que custou noites sem dormir e oração confiando em Nossa Senhora.
- Quero agradecer ao nosso pároco Pe Rogério pela iniciativa da construção do monumento e também pela atenção dedicada a Administração Apostólica que vai participar das comemorações de inauguração do monumento junto c a paróquia São Sebastião e Santa Filomena! A união das duas paróquias demonstra q nossa devoção é a mesma, nossa fé também e nosso amor a Maria vence todos os obstáculos!. – disse a jornalista e professora Cristiane Abib Fabri.
 A imagem pode conter: 3 pessoas



terça-feira, 29 de agosto de 2017

Fragmentos de Arte Sacra

A imagem pode conter: texto

Não se trata de um estudo sobre a arte sacra presente em algumas das Igrejas de Campos, mas fragmentos que ajudam a cotar histórias. Quem visita essas igrejas pode apreciar obras de grande valor artístico. Desvendar a origem é um pouco complicado. Nos quatro séculos de presença dos monges beneditinos em Campos e resgatando um pouco da obra dos religiosos

A Igreja de Santo Amaro, obra dos monges foi construída em etapas. E nesta igreja dois grandes tesouros da arte beneditina: a imagem primitiva que trouxe a região a devoção e a em madeira no altar desde 1789, obra do escultor seiscentista Frei Domingos da Conceição, de origem portuguesa e professo no Mosteiro do Rio de Janeiro. Do artista segundo Dom Clemente Silva Nigra foi autor das imagens de São Bento e Santa Escolástica esculpidas para a inauguração em 1641 da igreja abacial no Rio de Janeiro.
Nenhum texto alternativo automático disponível.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

“ Cronologicamente é a mais antiga das quatro imagens de madeira. Tem de altura 1,21m. Parece reprodução da imagem de São Bento, de Parnaíba feita em barro por Frei Agostinho da Piedade. Permaneceu no Rio de Janeiro em seu altar na igreja de São Bento do Rio de Janeiro, até 1789, foi substituída pela imagem que hoje ali se encontra, sendo então transferida para o arraial de Santo Amaro, hoje fim da linha férrea no Estado do Rio de Janeiro, onde goza de extraordinária devoção do povo.” Cf Silva NIgra.


Um breve extrato da biografia de Frei Domingos da Conceição. Ainda segundo Silva Nigra Frei Domingos da Conceição Silva antes de vestir o hábito monástico em 1690, se chamava Domingos Silva e tem sua vida e obra ligada ao Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, e ficou conhecido por sua obra em escultura em madeira. Veio a falecer em 1718. Natural do Matosinhos, nasceu por volta de 1643, se tornando escultor aprendendo a arte com algum mestre português. 

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Com a imagem de Nossa Senhora Aparecida, Dom Milton concede benção no final da 62ª Festa do Peão de Barretos

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas praticando esportes, estádio e atividades ao ar livre

Este foi o terceiro ano consecutivo da entronização da imagem na arena de rodeios de Barretos
 A imagem pode conter: 1 pessoa
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas praticando esportes, estádio e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé, criança, multidão, estádio e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas em pé


Na noite do último dia da 62ª Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos, pelo terceiro ano consecutivo, o bispo diocesano de Barretos, Dom Milton Kenan Júnior, e o administrador da Quase Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Minibasílica), padre Davis Pedott, entronizaram a imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida na arena de rodeios do Parque do Peão.

Os católicos presentes nas arquibancadas ficaram de pé e em gesto de devoção retiraram seus chapéus e aclamaram a padroeira do Brasil com palmas motivados pelos versos do locutor de rodeis Cuiabano Lima.
Dom Milton falou aos presentes que neste ano, de maneira muito especial, comemoram-se os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição no rio Paraíba do Sul.

“Essa imagem simboliza para nós a presença daquela que Jesus nos deu para ser a nossa Mãe. Ela está gravada no coração do peão. Ela está gravada no coração de todo católico brasileiro. Ela é para nós um testemunho de que nós brasileiros não somos órfãos. Nós temos Deus como Pai e temos a Mãe de Jesus como a nossa mãe”, enfatizou o bispo diocesano.

Depois invocou a bênção de Deus o público presente na arena, aos peões, a todos os que trabalharam no evento este ano e à Associação Os Independentes.

Fotos: Milton Figueiredo

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Leigos e Leigas na Igreja e no Mundo

A imagem pode conter: 1 pessoa


Pe. Marcos Sandrini SDB *
Há palavras que ficam marcadas no decorrer dos tempos. Umas são marcadas positivamente e outras, negativamente. Assim, na linguagem comum, leigo significa uma pessoa por fora do assunto ou ignorante. Isto tem sua explicação. Com o crescimento do clericalismo na Igreja, os leigos foram sendo colocados de lado e ignorados. Aos poucos vamos virando esta história.
O Concílio Vaticano II dedicou um documento inteiro justamente aos leigos. É o Apostolicam Actuositatem.  É nesta perspectiva que trato deste assunto.
·         O Batismo é o ponto de partida
O Batismo insere todos os cristãos na Igreja de Jesus. Santo Agostinho dizia que “convosco sou cristão e para vós sou bispo”. O ponto de partida é a igualdade fundamental, isto é, convosco sou cristão. Se há algo que nos diferencia é o serviço, a missão que cada cristão recebe, isto é, para vós sou bispo.
Assim, na Igreja de Jesus somos todos iguais. Não há menor e nem maior. Só há irmãos. Somos imagens e semelhança de Deus. As três pessoas divinas são iguais: o Pai, o Filho e o Espírito Santo participam da mesma igualdade embora sendo diferentes. As diferenças nunca significam desigualdade, mas a riqueza da igualdade e da fraternidade.
·         A tríplice missão dos leigos e leigas
Na Igreja, os leigos são todos os que se distinguem dos ministros ordenados: diáconos, sacerdotes e bispos. Distinguem-se dos ordenados por sua missão no mundo. Cada leigo exerce sua missão de três formas.
A primeira delas é em seu estado de vida. A maioria absoluta dos leigos, pelo sacramento do matrimônio, são esposos e esposas, filhos e filhas, irmãos e irmãs. A família a primeira missão dos leigos e leigas na Igreja. Cuidar da família é o primeiro apostolado leigo.
Depois, a presença no mundo. Cada um e cada uma tem uma profissão. É nesta profissão que se exerce a missão laical. Cada cristão assume sua profissionalidade e é nela que se santifica e exerce seu apostolado. O leigo é cristão enquanto médico, enquanto agricultor, enquanto bancário, enquanto professor, enquanto comerciante ou comerciário. Nenhum espaço fica sem a presença dos cristãos e cristãs. Os leigos são cristãos seculares, isto é, vivem na realidade do mundo e nela se santificam.
Finalmente, os cristãos leigos também são participantes da vida da comunidade eclesial. Dedicam um pouco de seu tempo para construí-la, sendo presença nas diversas pastorais eclesiais. Sem os leigos nenhuma pastoral tem possibilidade de avançar.
·         Espiritualidade dos leigos
Tudo isto é alimentado por uma espiritualidade intensa. Espiritualidade é tudo o que produz vida. A espiritualidade do leigo se alimenta na comunhão intensa com o Pai, o Filho e o Espírito Santo para ser presença transformadora no mundo. Onde houver um batizado, a Igreja está presente como fermento na massa, como transformação para melhor.
* Coordenador de Assuntos Comunitários da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre


sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O tempo e a esperança

A imagem pode conter: pessoas em pé e flor


Olhando os rios. A mesma água nunca voltará a passar pela mesma ponte. Para muitos fica a saudade, mas também a esperança de novas águas. E assim passa o tempo. Tempo e esperança que se encontram na foz de um rio que passa pelas cidades e se desfaz nas águas turbulentas do mar. Ai uma luta que se repete a cada dia, cada minuto, cada segundo. E ao chegar ao mar o encontro das águas num espetáculo de beleza.
Olhando as águas que correm recordamos de tantas vezes que revoltas nos trouxeram o pavor, mas quando vem a calmaria a beleza. Águas que carregam nas impurezas das cidades por onde passam recordam a nossa vida, muitas vezes carregadas de momentos de tristeza que nem sempre queremos recordar.

Um dia numa crônica de despedida carregava um momento dessas recordações. Águas carregadas de poluentes, mas não o poluente que com o tempo passa, mas a tristeza de recordar que um dia, era embalado de calmaria. Mas com o tempo se tornou em águas revoltas. Que triste ver que o ser humano é muitas vezes protagonista de tantas tristes recordações e que preferem ser água revolta a ser calmaria. E acabam matando esperanças, sonhos e projetos. Mas tudo passa na vida até a vida e não valeria perder tempo com essas recordações, mas que marcam... Marcas indeléveis, mas que nem o tempo e a esperança conseguem apagar...

Matriz de Italva vai receber vitrais sacros

Texto e Fotos
Ricardo Gomes

A imagem pode conter: céu, planta, mesa e atividades ao ar livre

Vista noturna da Matriz da Imaculada Conceição


Um dos cartões postais da cidade de Italva a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição esta investindo no Projeto de Turismo religioso com o objetivo de gerar divisas para o município.
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas, criança e atividades ao ar livre

A Praça da Matriz é um lugar para um bate papo: amigos que recordam tempos bons e as histórias do local.


Localizada bem na chegada da cidade de Italva, a Igreja Matriz de Italva está investindo no turismo religioso. Aos domingos recebe visitantes de várias cidades do Estado do Rio de Janeiro e esta organizando uma campanha para a troca das janelas por vitrais sacros. Um projeto que visa dar além da beleza e um clima de espiritualidade a igreja matriz. Os vitrais retratarão momentos da vida de Nossa Senhora e a expectativa é de ser inaugurada a primeira fase na abertura da festa da padroeira.
Confiante na comunidade católica da cidade, Pe. Maxiliano Barreto já começou a preparar para dar inicio ao projeto que no lançamento já obteve aprovação da sociedade que abraçou o projeto. Segundo o padre um sonho que começa a se tornar realidade. No mês passado foi entregue os envelopes para a contribuição já visando o pagamento da primeira parcela a empresa contratada para a execução do trabalho.
- Nossa comunidade recebeu o desafio e já demonstrou que mesmo diante das dificuldades financeiras tudo para tornar a nossa igreja um lugar onde a beleza é a expressão da presença de Deus e nos levar a espiritualidade e a oração. Vamos já preparar para a execução deste projeto inovador. E vamos inaugurar na abertura do novenário da nossa padroeira, a Imaculada Conceição. - disse o padre.


Com mais esse projeto a comunidade católica destaca o trabalho realizado pelo Pe. Maxiliano Barreto em oito anos a frente da Paróquia Nossa Senhora da Conceição. O padre destaca as dificuldades, mas ressalta o compromisso dos católicos que abraçam todos os projetos já realizados desde a sua chegada a cidade. Uma das lutas foi a colocação de sistema de ar condicionado na igreja. E agora iniciando o projeto da instalação dos vitrais sacros.

- Desde a minha chegada a Italva foram muitos os desafios. E graças a Deus e ao apoio da sociedade conseguimos realizar todas as melhorias que eram mais urgentes, mas o meu sonho era a colocação dos vitrais sacros na igreja. Um sonho que vou realizar juntamente com a nossa a comunidade católica. Assim mais um projeto que iniciamos já com total apoio de todos. – conclui Padre Maxiliano.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Feliz dia dos Pais: Noite de homenagens da Catequese São Francisco de Italva

A imagem pode conter: 9 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé, criança e área interna
A imagem pode conter: 18 pessoas, pessoas sorrindo

O cansaço nunca pode tirar a ternura, a amizade e o amor demonstrado por gestos sinceros de um pai que nunca se deixa abater no combate e a luta diária..

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas, criança e close-up
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas e close-up
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, criança e close-up
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas
A imagem pode conter: 2 pessoas, close-up
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas e criança
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas sentadas e criança


Pais, sinais da ternura firme e misericordiosa de Deus
Dom Roberto Francisco Ferreria Paz
Bispo  de Campos (RJ)

Neste domingo, 19º do tempo comum, à luz do Evangelho da barca que foi sacudida pela tempestade no mar de Tiberiades e a calmaria que se seguiu quando Jesus mostrou seu poder sobre o mar embravecido, comemoramos a vocação e a missão de ser pai. Como os apóstolos, os pais tomam conta da barca da família que enfrenta a hostilidade de ventos contrários e ondas que parecem ameaçar a pequena Igreja doméstica familiar. É compreensível sentirem medo, perplexidade e até dúvidas sobre a sua capacidade de superar tamanhos desafios. Porém, além das suas forças e potencialidades, os pais não podem renunciar ao poder da sua fé e à missão divina para a qual foram chamados.
À diferença de Pedro, que se deixou assustar pelo tamanho das ondas, perdendo o foco da visão do rosto de Cristo, os pais, no meio do furacão das crises, centrarão sua mente e coração na presença do Bom Pastor conduzindo o leme da família a quatro mãos com Ele. Assim, contando com a luz e a fortaleza da fé, tornar-se- ão líderes servidores e edificadores da comunidade familiar, testemunhando diante dos filhos a coragem e a responsabilidade de dar a vida pelo lar.
Com a força da ternura, da prudência enérgica e diálogo permanente, conseguirão, não sem esforço, trazer a calmaria da paz que o lar cristão oferece aos seus. É de destacar que o dom e a experiência da fé tem tudo a ver com o Pai das misericórdias, que desperta em nós a confiança que tem uma criança que está num muro alto e que se lança sem pestanhar aos braços do pai sabendo que este irá pegá-lo com carinho e
alegria. Ou, ainda, aquela historinha que nos apresenta um barquinho de pesca em alto mar, no meio de uma tempestade violenta, com os pescadores apavorados e uma criança tranquila brincando com um carrinho, quando perguntado se não tinha medo, ele respondeu sorrindo: Não, porque meu pai está no leme!. Que bom é ter um pai no leme da nossa família, com ele a paz começa em casa! Que o Pai dos céus abençoe, proteja e encoraje a nossos amados pais!
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

AMOR DE PAI
Rosto cansado. Muitas vezes o herói quase cai no combate, mas mesmo assim basta o filho o receber com o abraço, um beijo carinhoso e o homem cansado ganha a força de um super herói, que neste momento volta a um tempo que se passou, mas na alma a criança ressurge para brincar, receber nos braços o pequeno herdeiro.
Assim é o amor de pai. Um amor que se renova a cada olhar de seus pequenos ou os mais crescidinhos, mas que para eles serão eternamente crianças...Amor que se renova e faz ressurgir a cada momento o herói, ou super herói que não usa armas ,mas o coração. Parabéns pais, heróis de nossas pequenos...